ArcGIS 10: Layout de Impressão – parte 03

Olá amigas e amigos,

Este post é uma continuação da série de tutoriais do ArcGIS 10 que aborda os principais elementos para montar um layout de mapas. Eu tenho alguns bons tutoriais do ArcGIS 10 e de outros programas que gostaria de publicar no blog neste momento, porém eu tenho esse compromisso de trazer para o domínio público a série sobre layout de mapas no SIG.

Layout com Vetores

Vamos trabalhar apenas com vetores neste tutorial. No último post, vamos encerrar essa série de tutoriais com a confecção da Carta Imagem.

Organize seu espaço de trabalho

O Layout de Mapas foi feito para ser produzido e distribuído, portanto, a organização de diretórios e arquivos deve ser a primeira preocupação do técnico. Não cansa lembrar: alguns cuidados básicos de informática são importantes. Fiz uma pequena relação dos principais:

  • Ao criar pastas, evite a utilização de espaços entre as palavras;
  • Evite qualquer tipo de acentuação em nomes de pastas e arquivos;
  • Procure nomear pastas e arquivos da forma mais curta possível;
  • Faça backups de todo o material editado (quando possível, diariamente);
  • Se possível, organize backups, pastas e arquivos com prefixo de data inteligente (AAAA-MM-DD);
  • Trabalhe sempre no ArcGIS através dos Caminhos Relativos.

Incluir o underscor entre as palavras ajuda a evitar espaços, porém existe outra opção: atribuir nomes de pastas e arquivos da forma como fazem os desenvolvedores de software. Por exemplo, ao invés do título “Modo Layout no ArcGIS”, você poderia escrever “ModoLayoutNoArcGIS”,que também é um forma de organização frequentemente utilizada.

Sobre os Caminhos Relativos no ArcGIS 10

Este passo é opcional. Os Caminhos Relativos são recursos do ArcGIS que facilitam a distribuição de todo o projeto para qualquer computador, na rede local ou fora do ambiente de produção. Recomendo a você unir os cuidados acima com este recurso poderoso.

Crie pastas essenciais para o projeto. Outras pastas poderão ser acrescidas posteriormente. Minha organização básica é esta:

Organização de arquivos por pastas

Para os backups, utilizei o prefixo de data inteligente (Ano-Mês-Dia ou AAAA-MM-DD). Este método ajuda a organizar backups diários. Para organizar os arquivos, copie todos os arquivos shapefile básicos para a pasta SHP (Hidrografia, Limite Municipal, Limite federal, Sistema Viário, Linha de Costa, Folha Articulada, etc.).

Os arquivos shapefile também podem ser organizados, ser você preferir. Como as geometrias de ponto, linha e polígono possuem a mesma extensão .shp, use sufixos para diferenciá-las. Não se preocupe com o nome do arquivo, pois o mesmo pode ser alterado para aparecer bem formatado na legenda:

  • hidrografia_pol.shp, hidrografia_ln.shp (Hidrografia Margem Dupla e Hidrografia margem Simples);
  • aeroportos_pts.shp (Ponto Central do Aeroporto);
  • NovaAndradina_LL.shp (Município de Nova Andradina/MS em Coordenadas Geográficas (Lat/Long);
  • NovaAndradina_UTM22S.shp (Município de Nova Andradina/MS projetado para o Sistema de Coordenadas Planas UTM, Fuso 22 S.

Salvando os Caminhos Relativos no ArcMap

Abra o ArcMap 10. No menu File, clique na opção Map Document Properties. Marque a opção Store relative pathnames to datasources e clique no botão OK.

Salvando Projeto através dos Caminhos Relativos

Salve o documento MXD na pasta apropriada através da opção File – Save As:

Salvando Arquivo MXD na pasta

No Windows Explorer, Copie alguns arquivos shapefile para a pasta SHP. Com o ArcMap 10 aberto, execute o ArcCatalog 10 e navegue até o diretório dos arquivos. Para visualizá-los, arraste o arquivo do ArcCatalog até o mapa:

Exibição dos Arquivos no ArcCatalog

[1018x574 pixels]

Salve as alterações e feche o ArcGIS. De volta ao Explorer, experimente copiar a pasta do projeto para outra unidade de disco. Fiz uma cópia do projeto inteiro para o meu pendrive:

Cópia do Projeto para outra unidade de disco

Ao executar o MXD a partir do pendrive, toda formatação é conservada. Use os Caminhos Relativos para distribuir o projeto original para outras máquinas.

Mapeando Unidades de Disco No ArcGIS

Caso sua unidade de disco não apareça no ArcCatalog, clique no ícone Connect to Folder:

ArcCatalog: Mapear Unidades de Disco

Aponte para a unidade desejada e clique no botão OK:

Selecione a unidade de disco

Sua unidade de disco foi mapeada. A partir de agora, você pode acessar com tranquilidade todos os arquivos:

Unidades de Disco mapeadas

Agora que atendemos a todos os pré-requisitos, estamos prontos para iniciar a montagem do nosso layout.

Modo Layout: Trabalhando com Data Frames

Afinal, o que é um Data Frame?

Literalmente, “Data Frame” é um quadro de dados. Este conceito fica mais claro quando você passa a utilizar o Modo Layout. No ArcMap 10, o Data Frame é o elemento fundamental no documento de mapa e na interface do usuário. Ao criar um novo mapa, um Data Frame padrão será listado na Table of Contents (tabela de conteúdos) como Layers (camadas).

O Data Frame Layers

As Propriedades do Data Frame definem o contexto dos dados com a qual se trabalha, que incluem o Sistema de Coordenadas, as Unidades de Medida, a Escala, a Extensão das Camadas e assim por diante. No ArcMap, a exibição dos dados isola o conteúdo de um Data Frame para que você editar ou trabalhar com conteúdo específico.

O Data Frame e a Tabela de Conteúdo são as principais formas de interagir com dados geográficos no ArcMap 10. De acordo coma tarefa que se pretende realizar, os Data Frames podem ser configurados para apresentar dados em todas as escalas e extensões, uma escala específica ou uma extensão específica. Você pode navegar ou alterar a extensão de um Data Frame para visualizar dados em locais específicos, usando a Ferramenta de Movimentação (PAN) e as Ferramentas de Zoom do ArcMap 10.

O gerenciamento do Dataframe é executado no modo Data View. Quando você adiciona dados no mapa, estes dados devem ser armazenados através de um Data Frame específico e o resultado pode ser visualizado no modo Layout View. Esta é a principal funcionalidade que iremos explorar neste cronograma de produção de mapas.

Visualizando Informações do Data Frame

As Propriedades do Data Frame podem ser acessadas com um duplo clique sobre a camada Layers ou através do clique com o botão direito do mouse sobre essa camada, seguido da opção Properties.

Modificando a Cor do Plano de Fundo de um Mapa

Para modificar a cor do plano de fundo do mapa, acesse as Propriedades do Data Frame. Na guia Frame, opção Background, clique na seta para abrir uma lista de opções. Selecione uma cor que possa representar a água (clique no modelo Lt Blue) e clique no botão OK:

Seleção de Cor de Plano de Fundo

O plano de fundo do ArcGIS foi modificado de branco para azul de acordo com as características definidas no Data Frame Layers:

Cor do plano de fundo mudou de branco para azul

Ao adicionar vetores, imagens de satélite, etc., um usuário tem a percepção clara de que a cor de fundo representa o mar:

feições adicionadas com plano de fundo modificado

Modificando o Sistema de Coordenadas do Data Frame

Por padrão, o Sistema de Coordenadas do Data Frame Layers é associado ao sistema da primeira camada adicionada no mapa. Considere um determinado projeto do ArcMap com algumas feições na janela Table of Contents:

Algumas feições no projeto do ArcMap

Para investigar os Sistema de Coordenadas de todas as camadas, clique duas vezes sobre o Data Frame Layers para acessar as Propriedades do Data Frame. Na guia Coordinate System, role a página até encontrar o sistema selecionado:

Sistema de Coordenadas do Data Frame Selecionado

Algumas características do Sistema de Coordenadas atribuído para o Data Frame:

  • GCS_WGS 1984 = Geographic Coordinate System, World Geodetic System, 1984
  • Geographic Coordinate System = Sistema de Coordenadas Geográficas, unidades em Graus, Minutos e Segundos
  • World Geodetic System, 1984 = este é o Datum, um modelo matemático da Terra, consolidado por padrão em 1984.
  • Código EPSG: 4326 = uma convenção formalizada pelo Grupo de Pesquisa Petrolífera Européia – European Petroleum Survey Group (EPSG).

Conhecer o código EPSG da projeção desejada facilita o seu trabalho. Atualmente, o Modelo da Terra padrão do Brasil é o SIRGAS 2000, porém diversos pesquisadores utilizam outros modelos matemáticos para georreferenciar seus dados, como o SAD 1969 e o Córrego Alegre, além do próprio WGS 1984.

Visualizando a Projeção de Todas as Camadas

Na guia Coordinate System, role a página até encontrar o sistema relacionado com o Data Frame. Rolando mais abaixo, a pasta Layers exibe todos os Sistemas de Coordenadas que estão sendo utilizados no projeto. Em nosso exemplo, estamos trabalhando com camadas com diferentes Sistemas de Coordenadas:

A pasta Layers das Propriedades do Data Frame

Ao expandir as opções, você pode identificar o shapefile e sua projeção:

Diferentes camadas, diferentes projeções

Modo Layout: Trabalhando com Múltiplos Data Frames

Vamos iniciar a construção do Layout assumindo que você já possui os dados processados.

Renomeando Data Frames

Por padrão, temos apenas um único Data Frame Layers na guia Table of Contents quando o ArcMap é iniciado. Vamos considerar este como o Data Frame do mapa principal. Para não confundir, vamos renomeá-lo para Mapa Principal:

Renomendo o Data Frame 'Layers' para 'Mapa Principal'

Adicione o primeiro dado no mapa através do botão Add Data:

botão Add Data

Adicione as feições que serão destacadas no mapa principal:

Primeiras feições do Mapa Principal

[1015x666 pixels]

Para visualizar o resultado, alterne o ambiente de trabalho de Data View para Layout View. Clique no botão em destaque na imagem abaixo:

Layout View

[1011x666 pixels]

Formate o papel para A3 paisagem na opção File – Page em Print Setup. Não esqueça de selecionar a Plotter exatamente como fizemos na segunda parte desta série sobre Layout de Mapas:

Page em Print Setup - Configurações da Página

Marcar a opção Scale Map Elements é importante quando é necessário selecionar diferentes formatos de papel.

A estrutura da folha está pronta. Vamos adicionar um segundo Data Frame. Clique no menu Insert – Data Frame:

Um segundo Data Frame foi adicionado ao projeto. Modifique seu nome para “Mapa de Localização” e adicione feições: Vou adicionar um shapefile que representa o estado da Bahia:

Dois Data Frames com diferentes dados e escalas

[1013x662 pixels]

Agora temos dois quadro de dados (Data Frame)no mesmo projeto MXD. Cada quadro possui seu próprio Sistema de Coordenadas, escala de visualização, grade de coordenadas, simbologia, etc. Trabalhar com múltiplos Data Frame permite a plotagem de informações complexas no mesmo mapa. Você também pode reproduzir a mesma informação destacando outros aspectos.

Fim do tutorial. No próximo post vamos agilizar as publicações dos últimos capítulos da série em vídeos no Youtube. O próximo tema será Escala. Não perca!



Técnico em Cartografia, Blogueiro, Fascinado por Tecnologia e futuro Geógrafo, Jorge Santos atualmente trabalha com Geotecnologias no Rio de Janeiro. Seu objetivo é avançar sempre, sem esmorecer, rumo ao pleno conhecimento cartográfico.

7 Respostas para “ArcGIS 10: Layout de Impressão – parte 03”

  1. Heloisa Alencar

    fev 16. 2013

    NOSSA! SHOW DE BOLA!

    Reply to this comment
  2. Heloisa Alencar

    fev 16. 2013

    Muito bom!

    Cada dia mais aprendendo com o Jorge Santos!

    Obrigada Jorge, seu trabalho é demais!

    Reply to this comment
  3. Fabiana Bezerra

    ago 21. 2013

    Muito bom esse tutorial !!!

    Reply to this comment
  4. Paulo Cruz

    ago 27. 2013

    onde comprar um xtools no brasil?

    Reply to this comment
  5. Francisco Leonardo

    set 13. 2013

    Me ajudou muito parabéns

    Reply to this comment
  6. Clístenes

    dez 10. 2013

    Excelente! parabéns pelo material está bem didático.

    Reply to this comment

Trackbacks/Pingbacks

  1. ArcGIS: Índice de Tutoriais - 16 de fevereiro de 2013

    [...] [...]

Deixe uma Resposta