União do Aerolevantamento com Batimetria com utilização de DRONES

0
Trabalho realizado para o cliente Engenharia CF

Você já deve ter ouvido falar sobre inúmeras aplicações dos Drones e dos benefícios que esta tecnologia tem agregado.

O QUE É VANT OU DRONE?

VANT é a sigla de Veículo Aéreo Não Tripulado, popularmente conhecido como Drone. Um Sistema VANT é composto por uma Estação de Controle Remota e uma plataforma aérea embarcada com sensores calibrados para mapeamento.

Os VANTs, diferentemente dos aeromodelos, possuem inteligência artificial e são projetados para assegurar condições ideais de aeronavegabilidade, conforme os padrões da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

AEROLEVANTAMENTO COM DRONE

A partir do levantamento com DRONE, conhecido como Levantamento Aerofotogramétrico, pode-se obter produtos cartográficos com precisão e acurácia que servem como base para estudos de engenharia, produção de mapas, análises cartográficas, hidrográficas dentre outras.

Uma das vantagens que o Sistema VANT proporcionou foi a capacidade de gerar imagens georreferenciadas com resolução altíssima. Tal condição se tornou possível, pela capacidade de transportar sensores de alta resolução e pela distância reduzida entre o VANT e o terreno.

O QUE É BATIMETRIA?

Batimetria é a técnica empregada para medir a profundidade dos oceanos, lagos, rios etc. A batimetria é representada por curvas batimétricas, semelhantes à curvas de nível topográficas. Em linhas gerais, a finalidade da batimetria é gerar a topografia do fundo de um corpo hídrico.

Desta forma, é possível identificar, por exemplo, assoreamento, capacidade volumétrica e também o volume da massa d’água.

Os levantamentos batimétricos são executados com a utilização de uma embarcação tripulada ou não tripulada.

UNIÃO DOS DADOS DO AEROLEVANTAMENTO COM DADOS DA BATIMETRIA

Antes de continuarmos, precisamos explicar em qual situação a união destas duas informações (aerolevantamento e batimetria) se faz necessária. Estamos falando do Setor de Energia Hidrelétrica.

O setor de Energia Hidrelétrica demanda de serviços especializados, tais como, levantamento topográfico e batimétrico, fundamentais para a realização de Estudos de Impacto Socioambietal, Rompimento de Barragens, Análise de Riscos etc.

A FUSÃO DOS DADOS

Para que sejam realizados os estudos mencionados anteriormente, todos os dados do terreno e do fundo dos rios e barragens devem ser conhecidos. E na verdade são, graças as tecnologias empregadas com o uso do drone para obter os dados do terreno, e do barco para obter os dados dos corpos hídricos.

Porém, normalmente, os dados gerados são entregues em arquivos separados, e não unificados em um único Modelo Digital de Terreno.

Acredita-se que, analisar áreas com tal complexidade e produzir estudos baseando-se em dados separados, seja um fator negativo. Sabe-se que uma das necessidades é prever o comportamento da água em caso de um acidente, por exemplo. Desta forma, se faz indispensável o uso das informações do terreno como um todo, incluindo o fundo do corpo hídrico.

Percebendo estas particularidades, a empresa brasileira, Senva Sensoriamento Remoto, trouxe ao mercado de engenharia a possibilidade de fundir os dois dados e ter como resultado um único Modelo Digital de Terreno (MDT). O MDT em questão representa os dados altimétricos do terreno bem como a profundidade dos rios, lagos, barragens etc.A grande vantagem desta fusão é permitir que os profissionais envolvidos na elaboração dos estudos tenham mais facilidade de manusear os dados e dediquem menos tempo para interpretá-los.

ESQUEMA MDT
Trabalho realizado para o cliente Engenharia CF

Gostou deste artigo e quer saber mais?

Entre em contato:

Senva Sensoriamento Remoto

www.senva.com.br

(31) 3080-4730

DEIXE UMA RESPOSTA